untooned_mozart_by_curi222-d30tapa
Seu nome de batismo era Johannes Chrysostomus Wolfgang Gottlieb Mozart. Nasceu em Salzburg, pequena cidade da Áustria sob o domínio Habsburg, em 27 de janeiro de 1756.
Iniciou cedo sua carreira profissional Incentivado pelo pai, Johann Georg Leopold Mozart (1719 – 1787), conceituado violinista e professor, aos 4 anos já dedilhava bem e compunha seus primeiros duetos para piano. Aos 6 anos, conduzido pelo pai, iniciou sua primeira “turnê” pela Europa a todos encantando com sua habilidade, versatilidade e precocidade!

Sua primeira òpera completa “La finta semplice”, foi escrita em 1768, quando o pequeno Wolfgang contava apenas 12 anos!

Aos dezesseis anos já tinha composto quase 200 obras em todos os gêneros! Conseguiu o título de maestro de concertos do arquiduque de Salzburg e em 1769 viajou para a Itália (extensão do então poderoso Império Austro-Húngaro), onde passou dois anos percorrendo Milão, Roma e Nápoles. De volta à sua Salzburg natal começaram os problemas de que somente o túmulo o libertou… Seu gênio indomável, seu espírito libertário, em síntese, ficam por 4 anos suportando as agonias de um semi-encarceramento imposto pelo despótico Bispo da cidade, que se havia tornado seu “senhor” e lhe proibia viagens e apresentações fora de seus domínios.

no final do Feudalismo Mozart encontra dificuldades em se libertar das cadeias que o prendiam e somente o consegue quando o déspota “esclarecido” José II se decide por contratá-lo, requisitando-o ao Bispo de Salzburg, e convocando-o a Viena, “capital da música”.
Lá, apaixona-se loucamente por Aloysia Weber, mas não é correspondido. Casa-se anos mais tarde com Constanze Weber, irmã caçula de Aloysia.
Teve uma recepção calorosa em Viena é seguida de um poderoso reconhecimento artístico e o desprezo de quantos o invejavam na Corte e tinham poderes para limitar-lhe até as condições de sobrevida material. A genialidade porem, não se contém… vem de Deus e segue fluindo enquanto há vida! Mozart, libertário e indômito compõe “As Bodas de Fígaro ” em 1786 e é sabotado pelos músicos concorrentes de Viena, que esvaziam os grandes teatros transformando aquela peça num fiasco financeiro. A seguir, compõe “Don Giovanni” – um sucesso quase imediato, por exemplo, em Praga (atualmente República Tcheca) e um fracasso retumbante em Viena, novamente não pelo valor intrínseco da Obra em si, que os séculos julgam apropriadamente, como testemunhamos, mas pelos seus contemporâneos incapazes de compreender ou aceitar o musico.
A cada passo tinha de explicar-se, de justificar
suas escolhas. “Como é que V. Sa. ousa pensar em apresentar uma Ópera locada num harém turco à sociedade vienense?”; “Que ousadia é essa de trazer à alta sociedade vienense a temática de D. Juan, banida pelo próprio Imperador?” Sempre recebido com reticências e ressalvas numa sociedade ultra-conservadora, quão mais feliz teria sido se houvesse conseguido reduzir o seu tamanho ao nível das regüinhas mediocremente milimétricas daqueles que se auto-arrogavam o direito de medir-lhe a competência…
Cai em profunda decadência econômica e acaba
aceitando a empreitada de trabalhar num projeto de Ópera para o povo na periferia de Viena. Ali dá vazão a seu espírito criativo. Seu trabalho mais conhecido do período – porque a um só tempo genial, polêmico e perene – ainda é “A Flauta Mágica”, composta em 1791. Nela coloca, de maneira sugestivamente velada, uma seqüência genial de alusões a uma Iniciação Maçônica, fazendo referência a praticamente todos os 33 Graus do que hoje conhecemos como Rito Escocês Antigo e Aceito.
A Ópera foi um sucesso retumbante de público na periferia pobre de Viena – com maestria ele utilizava todos os recursos a seu alcance: efeitos especiais, explosões, representação de animais fantásticos e mitológicos, uma serpente gigante, uma “rainha da noite” que faz malabarismos inacreditáveis com sua voz (segundo seu biógrafo Peter Schaffer, retrataria a própria sogra de Mozart, insistente e repetitiva em brigas com ele por causa dos problemas materiais da pequena família). A isto correspondeu um fracasso igualmente retumbante por parte da crítica mais conservadora em música, assim como por parte dos puristas em temática maçônica: ousou demais e, embora nada revelasse, apresenta uma temática que muitos preferiam ver circunscritas a outros espaços que não uma Ópera popular. Foi o tiro de misericórdia no gênio. Já com a saúde combalida e as finanças periclitantes recebe ainda uma encomenda – através de um misterioso emissário secreto, somente revelado anos depois – de um Conde Austríaco para uma Missa Fúnebre, um Réquiem, que lhe toma o resto da saúde física e mental. A missa é deixada incompleta; termina-a mais tarde Franz Süssmayr, um de seus discípulos.
A 5 de dezembro de 1791, aos 35 anos de idade, a luz de Mozart se apaga neste mundo e ele é enterrado como indigente numa cova pública em Viena, sem sequer um raminho de mato a marcar o local de sua sepultura. “Naturalmente”, à medida que sua Obra se expande em fama pelo mundo, os austríacos despertam para o fenômeno e, a quem se disponha, há um monumento a Mozart em sua Salzburg natal, o “Mozarteum”.

Das notas biográficas mais abalizadas pinço estas linhas:

“… O seu enterro estava sendo acompanhado por poucos amigos, quando caiu violenta tempestade que os dispersou. Mozart teve um funeral de terceira categoria e foi enterrado numa fossa comum, com uma dúzia de cadáveres de indigentes. Não houve monumento nem lápide (ou sequer um raminho de planta para marcar-lhe a sepultura…). Dez anos depois, a viúva voltou ao cemitério (ouvira dizer que as valas comuns permaneciam intactas, apenas por sete anos), mas os restos do imortal compositor não haviam sido respeitados.Perguntando ao encarregado do cemitério sobre Mozart, a viuva recebeu como resposta : Mozart? quem é Mozart… nunca ouvi falar !!!.
Hoje nem se sabe o lugar exato onde foi sepultado. Seus restos mortais desapareceram e o crânio conservado no Mozarteum de Salzburg certamente não é o seu.”
Há uma peça teatral magnífica de Peter Schaffer sobre a vida de Mozart, intitulada “Amadeus”, levada às telas de cinema pelo enorme talento artístico de Milos Forman. Nas melhores locadoras de vídeo se encontram a biografia de Mozart, ” Amadeus”, de Milos Forman e a Ópera que coroa sua vida e sua obra verdadeiramente enciclopédica (à época do lançamento, em Viena, com uma coroa de espinhos; post-mortem com a coroa da glória imorredoura…): ” A Flauta Mágica”.

Como tudo seria diferente se vencessem na vida aqueles que venceram depois de mortos… – Cícero

salzburgmozart460_780331cblog_mozart_a_morte_improvavel

Anúncios